FIFA deve pagar “pelo menos US$ 440 milhões” para compensar trabalhadores da construção e suas famílias no Catar

por Canal da Engenharia
843 views

A copa do mundo deste ano, que será realizada no Catar, traz muita tecnologia, estádios e construções bilionárias, mas também muita polêmica.

A Anistia Internacional e uma união de grupos de direitos humanos, sindicatos e organizações de torcedores, escreveram esta semana uma carta aberta pedindo à FIFA que reserve “pelo menos US$ 440 milhões” para centenas de milhares de trabalhadores migrantes que sofreram abusos de direitos humanos, perda de salários, ferimentos e morte no Catar durante seu boom de construção de 12 anos para se preparar para a Copa do Mundo deste ano.

A soma, de valor igual ao prêmio em dinheiro a ser entregue no torneio, representa uma pequena fração da receita total de US$ 6 bilhões que a FIFA deve obter no Qatar2022, disse a Anistia.

O grupo defende que a quantia provavelmente será o mínimo necessário para cobrir os custos de indenização e proteger os direitos dos trabalhadores no futuro, acrescentando que a quantia total para reembolsar salários não pagos, as taxas de recrutamento extorsivas pagas por centenas de milhares de trabalhadores e indenização por lesões e as mortes podem acabar sendo maiores e devem ser avaliadas como parte de um processo participativo com sindicatos, organizações da sociedade civil, Organização Internacional do Trabalho e outros.

Trabalhadores migrantes em West Bay, Doha, Catar. Foto de: Alex Sergeev/www.asergeev.com/CC-BY-SA-3.0.

Não se sabe exatamente quantos trabalhadores morreram no Catar como resultado de condições inseguras, em parte porque os atestados de óbito emitidos lá podem ter mascarado mortes evitáveis ​​​​por exposição ao calor declarando “insuficiência cardíaca”, “causas naturais” e outras razões não específicas.

No entanto, uma investigação do jornal The Guardian em fevereiro de 2021 concluiu que mais de 6.500 trabalhadores da Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka morreram no Catar desde que conquistou o direito de sediar a Copa do Mundo em 2010.

Na carta que acompanha o relatório da Anistia sobre o assunto, os signatários instaram o presidente da FIFA, Gianni Infantino, a trabalhar com o Catar para estabelecer um programa abrangente de remediação.

Embora tenha havido algum progresso no programa de reformas trabalhistas do Catar, o escopo limitado e a fraca aplicação fizeram com que graves abusos de direitos humanos persistam, disse a Anistia, acrescentando que os abusos sofridos pelos trabalhadores na última década no Catar permanecem em grande parte sem solução.

“Dado o histórico de abusos de direitos humanos no país, a FIFA sabia – ou deveria saber – os riscos óbvios para os trabalhadores quando concedeu o torneio ao Catar”, disse Agnès Callamard, secretária-geral da Anistia. “Apesar disso, não houve uma única menção a trabalhadores ou direitos humanos em sua avaliação da candidatura do Catar e nenhuma condição foi colocada em proteções trabalhistas.

“Ao fechar os olhos para abusos previsíveis de direitos humanos e não os impedir, a FIFA indiscutivelmente contribuiu para o abuso generalizado de trabalhadores migrantes envolvidos em projetos relacionados à Copa do Mundo no Catar, muito além dos estádios e hotéis oficiais.

“Durante anos, o sofrimento daqueles que tornaram esta Copa do Mundo possível foi varrido para debaixo do tapete. Já é hora de a FIFA e o Qatar se unirem para trabalhar em um programa abrangente de remediação que coloque os trabalhadores no centro e garanta que nenhum dano permaneça sem solução.”

Fonte da notícia: Global Construction Review.

Você pode se interessar por

Deixe uma resposta