Pesquisadores do MIT desenvolvem “escudo solar” para proteger a Terra dos raios solares

por Canal da Engenharia
1k views

Uma equipe de cientistas interdisciplinares do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) desenvolveu o conceito de um escudo solar planetário externo que reduzirá os efeitos das mudanças climáticas, limitando a radiação que atinge a superfície da Terra.

O conceito de “bolhas espaciais” é baseado no trabalho de Roger Angel, que em 2006 propôs colocar finos filmes refletivos em órbita ao redor da Terra.

Agora, os pesquisadores do MIT desenvolveram essa ideia, tornando-a facilmente implantável e totalmente reversível.

Os escudos estariam localizados a aproximadamente 2,5 milhões de quilômetros da Terra, usando um mecanismo de estabilização ainda a ser projetado.

As bolhas seriam feitas de um material de filme fino e fabricadas no espaço onde, quando interligadas, cobririam uma área aproximadamente do tamanho do Brasil.

Outra vantagem deste escudo solar em particular é que ele é reversível, pois as bolhas podem ser esvaziadas e removidas de sua posição.

As esferas seriam feitas de um material como o silício, transportado para o espaço na forma fundida, ou líquidos iônicos reforçados com grafeno.

As bolhas seriam combinadas em uma “jangada” aproximadamente do tamanho do Brasil. Fonte: MIT.
As bolhas seriam posicionadas no Ponto Langrangiano L1, onde as forças gravitacionais da Terra e do Sol se cancelam. Fonte: MIT.
A película seria implantada no espaço onde não poderia impactar a biosfera da Terra. Fonte: MIT.

O professor Carlo Ratti, do Senseable City Lab do MIT, disse: “Acreditamos que o avanço dos estudos de viabilidade de um escudo solar para o próximo nível pode nos ajudar a tomar decisões mais informadas nos próximos anos, caso as abordagens de geoengenharia se tornem urgentes”.

“As soluções baseadas no espaço seriam mais seguras – por exemplo, se desviarmos 1,8% da radiação solar incidente antes de atingir nosso planeta, poderíamos reverter totalmente o aquecimento global de hoje” ressalta o professor.

Fonte: Global Civil Engineering.

Você pode se interessar por

Deixe uma resposta