Monumento Alhambra: pesquisa revela a magnífica complexidade das muqarnas

por Canal da Engenharia
1.304 views

Antes que um edifício possa ser restaurado, reconstruído ou mesmo mantido adequadamente, engenheiros e arquitetos precisam ter um bom entendimento de como ele foi construído e quais métodos foram usados.

Isso é especialmente verdadeiro para monumentos históricos com um tipo de arquitetura único, como a Alhambra, localizado em Granada, na Espanha.

A estrutura histórica, construída entre 1248 e 1354, forma um rico complexo palaciano e fortaleza que alojava o monarca da dinastia e a corte do Reino de Granada.

O seu verdadeiro atrativo, como outras obras muçulmanas da época, são os interiores, cuja decoração está no cume da arte islâmica.

Esta importante atração turística espanhola exibe os mais famosos elementos da arquitetura islâmica no país, juntamente com estruturas cristãs do século XVI e intervenções posteriores em edifícios e jardins que marcam a sua imagem tal como pode ser vista na atualidade.

Para entender melhor a construção, os cientistas Ignacio Ferrer Pérez-Blanco e Marie-Pierre Zufferey, do Laboratório de Culturas Numéricas para Projetos de Arquitetura (CNPA) da Escola de Arquitetura, Engenharia Civil e Ambiental (ENAC) da EPFL (Escola Politécnica Federal de Lausana), estudaram uma das principais características arquitetônicas da Alhambra: as muqarnas.

As muqarnas são estruturas tridimensionais compostas por dezenas de elementos individuais que podem ser organizados de uma infinidade de maneiras.

Elas foram usadas ​​pela primeira vez no século 9 e se tornaram uma marca registrada da arquitetura islâmica, encontrados na Sicília, Irã, Marrocos, Síria, Iraque e Egito, bem como na Alhambra, na Espanha.

Usando modelos computacionais para ajudar a preservar monumentos

Apesar de quão amplamente os muqarnas foram usadas, há pouca informação sobre elas na literatura.

Apenas um punhado de documentos de referência – incluindo dois manuscritos do século 17 (escritos por Fray Andrés de San Miguel e Diego López de Arenas) e um estudo publicado em 1842 – que contêm descrições de como suas formas, padrões e proporções complexas foram projetados.

No entanto, para preservar essas estruturas extraordinárias, os engenheiros e arquitetos de hoje devem ser capazes de compreendê-las totalmente e consultar pesquisas documentadas. “Basta pensar nos monumentos que foram destruídos em Palmyra, na Síria”, disse o Prof. Bernard Cache, chefe do CNPA. “Seremos capazes de restaurar apenas aqueles para os quais os modelos de computador estão disponíveis.” Pérez-Blanco acrescenta que o complexo de Alhambra está localizado na região mais sismicamente ativa da Espanha.

Combinando documentos antigos com tecnologia digital

Para identificar as etapas envolvidas na construção das muqarnas e apontar quais dados são necessários, os cientistas começaram comparando as informações nos dois manuscritos entre si e com cinco dos capitéis das colunas de muqarnas presentes em Alhambra.

Eles visitaram o local em Granada e coletaram imagens com um scanner 3D, depois desenvolveram modelos computacionais dos capitéis usando métodos fotogramétricos.

Com base nesses modelos de computador, eles esculpiram quatro capitéis muqarnas em pedra para testar diferentes métodos. “O processo de escultura foi muito importante para que pudéssemos entender todas as etapas envolvidas e os problemas geométricos que os arquitetos tiveram que resolver”, diz Pérez-Blanco.

Surpreendentemente complexo, com um elemento assimétrico até então desconhecido

A pesquisa comparou o resultado encontrado com o que havia sido descrito nos manuscritos. Eles descobriram que os manuscritos continham algumas informações que estavam incompletas, apenas parcialmente certas ou totalmente erradas. “Identificamos um total de 16 elementos 3D diferentes nas muqarnas, enquanto a pesquisa anterior havia descrito apenas sete”, disse Pérez-Blanco. “Descobrimos um novo elemento assimétrico que nunca havia sido documentado.” Os cientistas tiveram que usar o dobro de elementos diferentes do que foi especificado na literatura junto com proporções alternativas para esculpir os capitéis muqarnas.

Sculpted Muqarnas: The Five Capitals in the Alhambra as a Case Study for  the Proportions of Western Profiles in: Muqarnas Online Volume 38 Issue 1  (2021)
Diferentes muqarnas de Alhambra estudadas (acima) e seus padrões (abaixo). Fonte: Pérez-Blanco e Zufferey, 2021.

Os cinco capitéis que escolheram eram apenas uma pequena amostra das dezenas de muqarnas – compreendendo milhares de elementos individuais – contidos na Alhambra, como os do Salão dos Embaixadores e do Salão das Duas Irmãs.

O estudo mostra a complexidade dos muqarnas e documenta seus elementos arquitetônicos, enriquecendo nosso conhecimento sobre esta peça do patrimônio mundial. Também disponibiliza dados eletronicamente para pesquisas futuras. Seu método e descobertas, publicados em Muqarnas, podem ser usados ​​como um ponto de partida para investigar padrões mais complicados e melhor compreender a linguagem formal expressa nos muqarnas de Alhambra e outros monumentos ocidentais.

Fontes:

Scientists reveal the magnificent complexity of the Alhambra. TecXplore. Janeiro, 2022.

Pérez-Blanco e Zufferey. Sculpted Muqarnas: The Five Capitals in the Alhambra as a Case Study for the Proportions of Western Profiles. Muqarnas Online. Dezembro, 2021.

Você pode se interessar por

Deixe uma resposta