...

Pesquisadores utilizam EPIs reciclados para fazer concreto mais forte

por Taina Bueno

Engenheiros da Universidade RMIT, na Austrália, desenvolveram um método para usar Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) descartáveis ​​para tornar o concreto mais forte, fornecendo uma maneira inovadora de reduzir significativamente os resíduos gerados pela pandemia.

Em maio deste ano, uma equipe de pesquisa da Universidade Estadual de Washington, Estados Unidos, já havia mostrado que uma mistura usando cimento com materiais de máscaras descartáveis era 47% mais forte do que o cimento comumente utilizado após um mês de cura.

Agora, a equipe do RMIT, no entanto, investiga a viabilidade de reciclar três tipos principais de EPI – aventais de isolamento, máscaras faciais e luvas de borracha – em concreto.

Publicados nas revistas Case Studies in Construction Materials, Science of the Total Environment e Journal of Cleaner Production, os estudos demonstram o potencial do EPI para ser usado como material de reforço em concreto estrutural.

Os pesquisadores descobriram que o EPI triturado pode aumentar a resistência do concreto em até 22% e melhorar a resistência à fissuração.

O parceiro industrial da equipe, Casafico Pty Ltd, está planejando usar esses resultados de pesquisa em um projeto de campo.

Desde o início da pandemia do COVID-19, cerca de 54.000 toneladas de resíduos de EPIs foram produzidos em média globalmente a cada dia.

Cerca de 129 bilhões de máscaras faciais descartáveis ​​são usadas e descartadas em todo o mundo todos os meses.

O primeiro autor do estudo, o engenheiro e doutor Shannon Kilmartin-Lynch, disse que a pesquisa trouxe uma abordagem de economia circular para o desafio de lidar com resíduos de saúde.

Concreto da equipe RMIT que foi feito com EPI. Imagem de: Universidade RMIT.

Nos três estudos de viabilidade separados, máscaras faciais descartáveis, luvas de borracha e aventais de isolamento foram primeiro triturados e incorporados ao concreto em vários volumes, entre 0,1% e 0,25%.

Em resumo, a pesquisa encontrou que:

  • Luvas de borracha aumentaram a resistência à compressão em até 22%;
  • Batas de isolamento aumentaram a resistência à tensão de flexão em até 21%, resistência à compressão em 15% e elasticidade em 12%;
  • Máscaras faciais aumentaram a resistência à compressão em até 17%.

O próximo passo para a pesquisa é avaliar o potencial para misturar os fluxos de EPI, desenvolver estratégias de implementação prática e trabalhar para testes de campo.

Fonte: TecXplore.

Você pode se interessar por

Deixe uma resposta

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00