...

Novo método para remediação de estruturas de madeira contaminadas

por Blog do Canal

Na Alemanha, existem cerca de 3 milhões de edifícios contaminados com os conservantes tóxicos de madeira lindano e pentaclorofenol (PCP).

As medidas anteriores para minimizar a contaminação incluem o isolamento de áreas contaminadas ou a eliminação de materiais de construção de madeira tratada como resíduos perigosos. No entanto, estas medidas não são sustentáveis nem rentáveis.

No projeto CycloPlasma, pesquisadores do Instituto Fraunhofer de Física de Construções IBP estão desenvolvendo um novo tipo de processo para remover esses contaminantes de décadas atrás – no ar e em estruturas de madeira contaminadas – de uma forma que seja sustentável e livre de resíduos. e não representa risco à saúde. Para este efeito, os cientistas combinaram um material adsorvente inovador com tecnologia de plasma.

Nas décadas de 1970 e 1980, as estruturas de madeira dos edifícios foram maciçamente tratadas com os conservantes de madeira lindano e pentaclorofenol (PCP) para protegê-las contra infestações de fungos e insetos. Estas substâncias provaram ser cancerígenas e neurotóxicas – foram proibidas na Alemanha desde 1989.

No entanto, estas substâncias tóxicas apresentam baixa volatilidade. Isto faz com que adiram ao material e, portanto, as vigas de madeira, os painéis de madeira e as treliças do telhado contaminados ainda representam hoje um risco para a saúde. Os edifícios históricos e os edifícios históricos são particularmente afectados, bem como os edifícios públicos deste período, como repartições públicas, jardins de infância e escolas.

As soluções anteriores para remoção de contaminantes têm um efeito negativo na conservação dos edifícios existentes em termos de recursos, energia e preservação do património. Eles também podem resultar em altos custos de descarte. Com a tecnologia CycloPlasma, investigadores do Fraunhofer IBP em Valley, Alemanha, estão a desenvolver uma solução que permite a remoção de contaminantes perigosos de uma forma ecológica e sustentável, sem qualquer resíduo e sem qualquer perda de substância de construção.

No projeto CycloPlasma, que é apoiado pela Fraunhofer Future Foundation, pesquisadores do Departamento de Meio Ambiente, Higiene e Tecnologia de Sensores e da Unidade de Negócios Pesquisa de Patrimônio Cultural do Fraunhofer IBP estão combinando a tecnologia de adsorção para descontaminar madeira e o método de plasma para purificar ambientes internos ar de contaminantes que já foram liberados.

Nova fórmula de ciclodextrina encapsula contaminantes

Os pesquisadores estão usando a ciclodextrina (CD) como material adsorvente, que é aplicado na madeira como verniz. Essas moléculas podem capturar e ligar contaminantes como lindano e PCP. Eles foram descobertos há cem anos e são usados para descontaminar solos poluídos com metais pesados ou petróleo. Os CDs também são usados na medicina para a liberação retardada de ingredientes ativos.

“As ciclodextrinas são cadeias de moléculas de dextrose em forma de anel que são obtidas enzimaticamente do amido. As estruturas em anel das cadeias de açúcar envolvem o lindano e o PCP em uma cavidade, encapsulando-os completamente”, diz a Dra. Andrea Burdack-Freitag, vice-chefe do departamento. e líder do grupo de Análise e Sistemas de Sensores Aplicados.

A cientista e sua equipe desenvolveram uma nova fórmula gelatinosa a partir das ciclodextrinas, que estão disponíveis na forma de pó branco. O gel pode ser aplicado na madeira de forma não destrutiva. A textura incolor não altera a estrutura da madeira e não é visível na superfície da madeira. Não causa crescimento de mofo e é atóxico, incolor, biodegradável e lavável.

O gel de ciclodextrina como material adsorvente envolve os conservantes tóxicos de madeira e os encapsula completamente. Crédito: Fraunhofer-Gesellschaft

“A fórmula penetra nos poros da madeira, onde absorve os contaminantes como uma esponja. Dependendo da concentração dos contaminantes, estes ficam presos na camada CD”, explica o cientista. Contudo, se estiverem presentes demasiadas substâncias tóxicas, estas não podem ser completamente adsorvidas pela fórmula. O excesso de contaminantes é então liberado no ar interno. É aqui que entra a tecnologia de plasma.

Um dispositivo de plasma, que pode ser fixado no teto, por exemplo, absorve as substâncias perigosas e as torna inofensivas. “Os eletrodos no invólucro geram um gás de plasma através do qual o fluxo de ar contendo os contaminantes é aspirado. O gás de plasma degrada quimicamente o lindano e o PCP. Além disso, os filtros de carvão ativo evitam que produtos de degradação gasosos escapem do dispositivo”, Burdack-Freitag explica.

Fonte: TechXplore.

Imagem de Emerson Albuquerque por Pixabay

Você pode se interessar por

Deixe uma resposta

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00